Hipertensão

Crise hipertensiva.


 A crise hipertensiva genericamente designa uma elevação da pressão arterial que deve ser avaliada pela possibilidade de uma evolução desfavorável .

Divide-se em: emergência e urgência hipertensiva, que na maioria das vezes ocorre por falta de adesão ao tratamento e/ou tratamento inadequado  . A emergência hipertensiva é caracterizada por severo aumento da pressão arterial (>180/120 mmHg), complicada pela disfunção progressiva de órgãos alvo e/ou risco de morte. Nestes casos, deve-se reduzir a pressão imediatamente para evitar ou limitar o dano (não obrigatoriamente a valores normais).



 Habitualmente, apresenta-se com pressão arterial muito elevada em pacientes com hipertensão crônica ou, menos elevada, em pacientes com doença aguda, como na eclâmpsia, glomerulonefrite aguda e, em uso de drogas ilícitas, como cocaína. Exemplos de danos relacionados à emergência hipertensiva, incluem encefalopatia hipertensiva, hemorragia intracraniana, angina pectoris instável, infarto agudo do miocárdio, falência ventricular esquerda aguda com edema pulmonar, aneurisma dissecante de aorta e eclâmpsia.

Sintomas como cefaléia occipital, alterações visuais, dor precordial, escotomas visuais, déficit neurológico, dispnéia, poderão resultar nos diagnósticos de danos. A emergência hipertensiva requer manejo hospitalar com drogas de uso parenteral, visando uma redução da pressão arterial média em até 25%, em minutos ou até 1 hora, para 160/100 mmHg, em mais 2 a 6 horas, para evitar quedas excessivas ou abruptas, que podem precipitar isquemia cerebral, coronariana ou renal.



 As drogas parenterais mais freqüentemente usadas na emergência hipertensiva são: nitroprussiato de sódio, nicardipina, nitroglicerina, enalaprilato, hidralazina, labetolol, esmolol. Depois de obtida a redução imediata da pressão arterial, deve-se iniciar a terapia anti-hipertensiva de manutenção e interromper a medicação parenteral. Caso o paciente esteja clinicamente estável,deve-se prosseguir com a redução da pressão arterial a valores normais nas próximas 24 a 48 horas.
 Na urgência hipertensiva, têm-se níveis elevados de pressão (estágio II), sem haver disfunção progressiva de órgãos-alvo. Não há evidência de benefício para redução da pressão imediatamente; deveremos controlá-la em até 24 horas. Visite esse blog: trumandanesblack.tumblr.com.


 Como exemplo citamos os níveis pressóricos acima de 160/100 mmHg associados a cefaléia severa, ansiedade, respiração curta, epistaxe. As urgências hipertensivas podem ser manejadas com drogas por via oral com início de ação relativamente rápido. Estas incluem diuréticos de alça, beta-bloqueadores, inibidores da ECA (captopril 12,5 a 25 mg via oral), agonistas alfa2 ou antagonistas dos canais de cálcio. O uso de nifedipina sublingual não tem sido mais utilizado por seus efeitos adversos e por sua inabilidade de controlar o grau de queda na pressão. Apressão arterial deverá ser reduzida em até 3 horas, sendo recomendado que o paciente retorne à Unidade de Saúde em, pelo menos, 24h, para nova aferição da pressão arterial e reorientar o tratamento medicamentoso, caso seja necessário.

Postagens mais visitadas deste blog

Hipertensão - parte 2

O estresse